Novidades

Era 'Love Yourself’ do BTS chega ao fim

"Answer" traz a resposta final para as tantas perguntas deixadas em álbuns anteriores

Por Clara Medeiros

Os integrantes da famosa banda coreana, BTS.

Afinal, "Love Yourself: Answer" veio para amarmos ao álbum ou a nós mesmos? Ouso dizer que os dois. O comeback do BTS trouxe o último álbum da trilogia Love Yourself, capítulo final de uma história sobre angústia, conflito e aceitação. O disco chegou como uma metralhadora de amor próprio, abrindo os olhos de seu A.R.M.Y. (grupo de fãs), para a importância de se aceitar e se amar, tornando-se um disco verdadeiramente emocionante. O recado que o boygroup passa é claro: You can’t stop me loving myself (“Você não pode me impedir de me amar”). A discografia está cheia de músicas solo, tanto da Rap como da Vocal line, dando à todos os membros a oportunidade de mostrar seu talento individualmente, além do mais importante, que é dar o espaço que precisam para que cada uma de suas mensagens sejam ouvidas. 

O álbum logo começa com o solo Euphoria do maknae (integrante mais jovem), Jungkook, que traz uma letra metaforicamente eufórica sob um ritmo pop, com uma voz suave porém sempre marcante. A segunda música, Trivia: Just Dance, é o solo de J-Hope, que com um Hip Hop gostoso e dançante, expressa uma comparação entre a dança e o sentimento novo de começar um amor. Em seguida, Jimin surge com um vocal precioso em uma edição Full Lenght de Serendipity, cuja letra representaria uma “feliz descoberta ao acaso” ou algo que não se procurava, mas que com sorte foi achado. A quarta música da tracklist é DNA, já apresentada anteriormente em "Love Yourself: Her", mas que ressurge ainda mais animada, se é que é possível, com uma inusitada Rock Vibe! Uma ótima decisão. Dimple, também aparece anteriormente em "Love Yourself: Her".

A sexta faixa surge na voz do líder RM, que traz uma música com letra mais agressiva, se destacando da graciosidade das demais, estabelecendo certa imposição. Her aparece na sétima faixa, tendo já sido apresentada anteriormente em "Love Yourself: Her". Singularity, estrelada por Kim Taehyung, conhecido como “V”, vem em seguida, ditada por um ritmo mais sensual de R&B e em uma letra poética e inteligente, cercada de referências. Fake Love e The Truth Untold que já faziam parte do álbum anterior, vêm nas duas faixas seguintes. Fake Love recebe outra faixa no segundo disco de "Answer", mas com um toque de Rock Clássico, tomando uma forma totalmente diferente da versão original. Trivia: Seesaw é o último solo da rapline, interpretado por Suga, que além de ótimo rapper, se mostra um ótimo vocalista em um rap charmoso com uma letra reflexiva sobre estar preso em algo repetitivo, de onde é preciso sair. Uma música que representa muito bem sua personalidade. Tear, que vem em seguida, é um grande rap, de letra pesada, no sentido emocional e que já aparecia no álbum "Love Yourself: Tear".


Quem ocupa a 13ª faixa do álbum é o solo de Jin: Epiphany, uma das músicas mais emocionantes e que precisa ser devidamente enaltecida em razão de seu significado. Vivemos em um mundo em que o ódio é amplamente difundido e as pessoas perdem sua auto-estima, amor próprio e esquecem que esse é o passo mais importante para a felicidade. Epiphany, cuja palavra significa um “momento de realização repentina”, vem para fazer-nos perceber que cada um de nós é aquele a quem deveríamos amar. Estamos presos a padrões, a opiniões alheias e a um sistema social cruel. É a interpretação delicada e expressiva de Jin, que toca o coração de quem ouve, lembrando que o amor próprio vem antes de tudo e todos.

I’m Fine vem em seguida para se tornar uma reflexão de Save Me, que aparece no álbum "The Most Beautiful Moment In Life: Young Forever", de 2016. Como o próprio título sugere, Save Me é uma música onde o BTS pede ajuda, que em I’m Fine não é mais necessária, pois agora eles estão salvando a si mesmos em razão de todo o processo de auto-aceitação. Um pop mixado com rap, bons vocais e cheio de significados e interpretações. Já IDOL, música título do álbum, é o tipo de “música chiclete”, mas é um chiclete muito bom! O mix de batidas é simplesmente único: uma mistura de referências africanas e coreanas tradicionais, além de uma pegada eletrônica, que junto aos vocais e à rapline produzem uma música digna das paradas musicais. Isso sem contar o significado, que é o clássico “haters gonna hate”, donos de si, enaltecendo o amor próprio. 
Capa do álbum "Love Youserlf: Answer".

A última faixa do primeiro disco é talvez a música mais esperada: Answer: Love Myself. É a resposta que buscamos. E qual é a resposta, afinal? Ame-se! É o que posso dizer. A canção é a chave para todas as fechaduras das músicas anteriores, expressando a importância de se amar do fundo coração e a gratidão do Bangtan em relação ao A.R.M.Y., que sempre esteve tão presente, dando apoio incondicional a seus ídolos. O segundo disco é constituído por músicas como Magic Shop, Best of Me, Airplane pt. 2, Go Go, Anpanman, duas versões de Mic Drop, a tradicional e uma edição Full Lenght do remix do Steve Aoki e a versão alternativa de IDOL com uma participação surpresa e icônica de Nicki Minaj, uma das rappers mais importantes da atualidade.

"Answer" é uma resposta não somente para a era Love Yourself do BTS, que chega ao fim, mas para as questões da vida. Quantas vezes estamos cheios de problemas, feito bola de neve, pelo simples fato de não termos pensado em nós mesmos primeiro? Esse álbum é um lembrete para todos os dias olharmos no espelho e dizermos “Eu me amo”, independente do que os outros pensem e digam.

Eu me amo, e você?

Nenhum comentário