Novidades

Koe no Katachi: uma voz silenciosa e uma reflexão gritante

O mangá retrata o bullying por meio de uma nova perspectiva e aborda um tema que ainda não tem muita visibilidade dentro da cultura pop

POR MARIANA BATISTA


Shouko Nishimiya é a protagonista do mangá Koe no Katachi (Foto: Reprodução/Fyscreencaps)

Koe No Katachi é um mangá escrito e ilustrado por Yoshitoki Oima. A autora conheceu a língua de sinais japonesa por causa do trabalho de sua mãe, que era intérprete. Influenciada por isso, a jovem se inspirou para criar a história que, devido à temática, foi revisada e apoiada pela Federação Japonesa de Surdos. A série lhe rendeu o prêmio de novo criador na 19° edição do Prêmio Cultural Osamu Tezuka e o Daruma d′Or Manga na Japan Expo na França, em 2018.

A série conta a história de Shouko Nishimiya, uma estudante surda. Durante o Ensino Fundamental, sua deficiência tornou-a um alvo fácil para piadas preconceituosas e agressões infundadas. Por causa disso, a garota estudou em várias escolas diferentes, sendo transferida cada vez que a sua surdez era vista como um empecilho à sua socialização. Já no Ensino Médio, Shouko se encontra com Shouya Ishida, um dos valentões que lhe roubou a paz ao longo da sexta série e que agora está disposto a consertar todos os erros do passado.

A maioria das pessoas pode apenas imaginar o quão difícil é ser uma adolescente que tem uma deficiência e que sofre bullying por isso. Poucas são aquelas realmente capazes de entender como ela se sente. Ao contar uma história sobre bullying através da perspectiva do agressor, Oima permite que o leitor viva a experiência da falta de compreensão do sentimento alheio e do esforço que deve ser feito para que exista uma comunicação eficaz entre ambos os lados de um relacionamento, independente da sua natureza. Nesse sentido, o mangá pode ser visto como um pequeno conselho sobre a importância do respeito e a necessidade do diálogo.

Outro ponto positivo de ver a história pelos olhos de Shouya é a possibilidade de acompanhar na íntegra o desenvolvimento dele mesmo e daqueles que se aproximam dele ao longo da trama. Depois de ter feito bullying com Shouko, Ishida passa por sucessivos processos de isolamento social, chegando a um ponto em que, para ele, a sua existência dentro da sociedade não tem mais nenhum sentido. Após conviver com a indiferença de seus colegas de classe por tanto tempo, Shouya passa a enxergá-los do mesmo modo e isso é simbolizado por meio da letra “X” carimbada no rosto de cada um dos seus colegas. Nesse aspecto, a autora realiza um trabalho simplesmente espetacular ao transmitir graficamente a visão de mundo do personagem para o leitor.

Quando reencontra Nishimiya, Shouya decide compensar todo o mal que havia feito à garota durante a sexta série. Ele encontra uma razão para continuar vivo. Ao longo de sua pequena jornada em busca de repor os “anos felizes da Shouko na escola”, o garoto faz novas amizades e vive atormentado pela ideia de voltar a ser julgado pelos antigos erros. Esse medo entra em conflito com seu propósito, pois, para realizá-lo, Ishida precisa estar constantemente em contato com seu passado. As reflexões, os dilemas, os medos e a ansiedade do personagem são bem estruturados e explanados ao longo de todo o mangá, permitindo que o leitor possa se colocar no lugar dele com frequência e questionar-se qual seria o seu próprio comportamento diante das situações adversas pelas quais passam o protagonista.

Apesar dos muitos esforços, Ishida não consegue manter seu passado às escuras por muito tempo. O grupo de amigos se desfaz depois de uma discussão sobre quem seria o verdadeiro culpado do bullying e da exclusão social aos quais Shouko foi submetida durante a sexta série. E os eventos que sucedem essa discussão abrem espaço para o clímax do mangá, onde alguns dos sentimentos e pensamentos de Nishimiya são expostos em um capítulo visto, exclusivamente, pela perspectiva dela.

Através desses acontecimentos, percebe-se que a jovem enxerga sua surdez como um fardo para aqueles à sua volta: tanto para os seus familiares, já que a garota é a única surda em uma família de ouvintes, quanto para Ishida. Nishimiya já havia dado sinais de que se sentia culpada pelo ostracismo ao qual o garoto foi submetido ao longo do Fundamental, e esse sentimento aumentou significativamente depois que alguns eventos passados ressurgiram. Anteriormente tratada de modo implícito, a depressão da jovem começou a ficar cada vez mais visível após o conflito entre Ishida e seus amigos, embora nenhum dos envolvidos tenha sido suficientemente sensível para perceber pequenas mudanças no comportamento de Shouko.

Nishimiya decide então cometer suicídio, porém é impedida por Shouya. Devido aos esforços para evitar que ela saltasse do prédio, Ishida acaba sendo hospitalizado e a garota assume a responsabilidade de reunir o grupo de amigos mais uma vez. É a repetição de um ciclo, na verdade. Assim como o garoto fez nos primeiros capítulos do mangá, Nishimiya se dedica a consertar aquilo que ela acredita ter destruído. A partir desse ponto, a mangaká escreve uma sequência de capítulos sobre os personagens secundários da trama, se aprofundando em assuntos que foram, inicialmente, tratados de modo superficial e ligando alguns pontos soltos, o que facilita a compreensão completa da história.

Os capítulos em questão são voltados para o contexto de vida de cada pessoa do grupo de amigos de Ishida e de como Shouko conversou com cada um desses jovens, na tentativa de fazê-los voltar a se reunir. É um meio de se aprofundar e dar voz àqueles que, embora sejam importantes para o desenvolvimento da história, foram retratados de um modo levemente superficial no decorrer dos fatos. Um dos capítulos explica o motivo por trás das fotografias de Yuzuru, irmã mais nova de Nishimiya; outros dois falam sobre a importância de Ishida para Tomohiro e Ueno; enquanto que três deles comentam o bullying sofrido por Satoshi, Miyoko e Miki.

Miyoko, Shouko, Yuzuru, Tomohiro, Shouya, Ueno, ainda marcada por um dos X, Miki e Satoshi (Foto: Reprodução/Fyscreencaps)

O capítulo que é visto e dedicado à perspectiva de Shouko tem as falas adaptadas ao modo como a garota as escuta quando está sem o aparelho auditivo. As palavras entrecortadas e com as letras trocadas são essenciais para induzir no leitor os sentimentos de aflição, angústia e confusão que sentem aqueles que não conseguem ouvir e compreender perfeitamente aquilo que lhes foi dito. Oima mostra-se uma artista de criatividade excepcional ao escrever dessa forma.

Após a explanação detalhada sobre a vida de cada personagem, que, embora pareça monótona, é incrivelmente interessante e de fácil compreensão, o mangá caminha rumo ao desfecho final. Ishida e Nishimiya conseguem conversar de modo claro a respeito de seus sentimentos e põem um ponto final nas muitas dúvidas que lhes afligiam. Depois do ocorrido, os amigos se reúnem uma outra vez, os laços de amizade se estreitam um pouco mais e a autora encerra o ciclo do Ensino Médio. Em seguida, temos o início de um debate clichê sobre a faculdade e o futuro. O final fica em aberto, porém, como todos os pontos avulsos já foram devidamente conectados e já se tem conhecimento geral sobre as escolhas profissionais dos personagens, não há uma surpresa tão grande quanto ao futuro do grupo.

Apesar de, a princípio, não parecer mais do que um simples mangá colegial, A voz do silêncio, nome da história aqui no Brasil, é uma obra literária muito bem planejada. A narrativa é simples, porém muito bem detalhada, tanto em questões gráficas quanto escritas. Oima faz questão de ser o mais detalhista possível na construção da personalidade de cada personagem através dos olhos de Shouya, de modo que é possível acompanhar o desenvolvimento dele mesmo e daqueles que o cercam de modo bastante claro. A mangaká também é igualmente cuidadosa em seus desenhos, sempre se esforçando ao máximo para retratar e transmitir todas as emoções dos personagens por meio da sua postura corporal e expressões faciais, principalmente no caso de Nishimiya. Os sinais e expressões que a garota usa para se comunicar são ilustrados com o máximo de detalhes possível, porém, em alguns momentos, a falta de uma tradução precisa do que está sendo dito dificulta a compreensão imediata de algumas situações.

Faz-se necessário elogiar também a capacidade da autora de abordar corretamente o cotidiano e a história de uma pessoa surda, algo que ainda tem pouca visibilidade dentro da cultura pop em geral. A falta de aceitação familiar, a dificuldade de inserção numa sociedade de ouvintes, o preconceito sofrido no ambiente escolar devido à falta de preparo dos professores e estrutura de algumas escolas e todos os problemas psicológicos que podem ser desenvolvidos diante dessas situações foram temas tratados com todo o zelo e riqueza de detalhes. Desse modo, Oima fornece um material adequado e abre uma brecha pequena, mas significativa, para refletir sobre a sociabilidade dos surdos.

Koe no Katachi foi originalmente lançado como uma one-shot em fevereiro de 2011, na revista Bessatsu Shōnen Magazine, e, em agosto de 2013, a pequena história começou a ser seriada e publicada semanalmente na Weekly Shōnen Magazine. Após ser finalizada, foi compilada em sete volumes e publicada pela editora Kodansha, no Japão, entre 15 de novembro de 2013 e 17 de dezembro de 2015. Posteriormente, a obra foi licenciada pela mesma editora na América do Norte e lançada digitalmente pela Crunchyroll Manga. No Brasil, a história foi publicada pela editora NewPOP, sob o título de A voz do silêncio. E em 2017, o mangá foi adaptado para as telonas pelo estúdio Kyoto.

Confira abaixo o trailer do mangá:

Nenhum comentário